terça-feira, 13 de maio de 2008

Não Estou lá e Cate Blanchett

Vi no domingo, penúltima sessão, se liguem... A última será amanhã (dia 14/05) às 20h.
Só está passando na Fundaj, ok?!

Cate (Bob) e Cate!


Impressionante como Cate está parecida e não é só no visual não, como ótima atriz que é consegue interpretar muito bem esse ícone que é Bob Dylan e ela é o mais Bob de todos, trejeitos, olhares, até a voz, incrível, se o prêmio de melhor atriz coadjuvante não tivesse ido para outra grande atriz como foi o caso, Tilda Swinton por Conduta de Risco, eu estaria deveras irada, mas mesmo assim Cate Blanchett merecia ter ganhado, não tem como negar isso.

Mas, e o filme? O filme é pura subjeção e loucura, política e protesto, fuga da realidade para adentrá-la de maneira mais inquietante e contestadora, foi assim que vi, não conheço muito Bob Dylan, confesso, porém o compreendi dentro de uma perspectiva de grandes gênios, seres que estão um bocado além do que se diz normal, no pior sentido dessa palavra, pessoas difíceis de serem entendidas e que muitas vezes são consideradas erroneamente e de maneira simplista - complicadas.

Adorei por isso e por não seguir uma narrativa feita de regras, no que diz respeito aos manuais de como fazer cinema, méritos ao diretor Todd Haynes, tenho quase certeza de que ele deva ser muito louco, alguém simplista e normal não conseguiria fazer um filme tão abstrato desses!

Por último tenho que mencionar todo o elenco fantástico e de 1ª grandeza.

Todos os Bobs!!!

Aviso: É filme para cinéfil@s ou admiradores de Dylan, se nenhum desses for seu caso, não vá assistir, só se quiser arriscar e riscos muitas vezes valem a pena ;)

Um comentário:

Cleber disse...

Todos os leigos e simplistas devem se arriscar para quebrarem as regras!!!Bjoss!!