sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

A Coragem de Joanna!

Primeiramente fiquei meio estática, estarrecida, sem entender bem o que estava acontecendo, só vi lágrimas e desespero, mas dessa vez a ficha não demorou nada a cair.

Em um mundo de tantos outros casos parecidos, em todos os lugares, sem distinção de raça, cor, credo ou o que os valham, não se pode tentar “maquiar” tal verdade, que pode ser aviltante, porém deveras presente, fazendo parte de qualquer cotidiano dissimulado e violento. Violência de quaisquer formas: permissiva, agressiva, verbal, sexual, “objetificante”!

Alguns cretinos que pseudo - vivem por aí, indiscriminadamente, também existentes aos montes, tentam mascarar e além de tudo incriminar e desconsiderar ainda mais a vítima, tentando desencorajar o surgimento e esclarecimento do público alienado ou que simplesmente fingir que nada disso acontece.

Pois, Joanna Maranhão enfim, foi a voz de muitas e muitos também, pois esse tipo de violação acontece e pode acontecer com qualquer pessoa, independente, daquilo que se denomina (conforme se estabeleceu culturalmente – ver Judith Butler) de sexos: masculino e feminino... Ninguém está imune! Isso é fato!

Para mim, não há dúvida de que tudo que ela afirma ter ocorrido realmente aconteceu, a mãe não ter acreditado, é uma das atitudes mais comuns, negar aquilo com o que não se sabe lidar é sempre algo mais fácil a ser feito.

Ao invés de massacrarem, com alguma frase do tipo: “isso é só para chamar atenção” ou “como parou de vencer as disputas, inventou essa história”.
É incrível a capacidade que algumas pessoas ( mais orcs?) têm de serem terrivelmente hipócritas.

Joana, só tenho a lhe agradecer por tamanha bravura, é necessária uma grande força, além de evidente coragem para enfrentar tal problema, todas as conseqüências e em diversos âmbitos...

Quisera eu, que mais “Joanas” e “Joãos” se descobrissem e não permitissem mais serem subjugadas (os) ou como diria Simone de Beauvoir (não em se tratando disso, mas cabe neste contexto muitíssimo bem) não serem alienados em si mesmos.

Sobre ela:
Joanna de Albuquerque Maranhão Bezerra de Melo é pernambucana de Recife, nasceu em 29/04/1987. Uma dos 4 filhos do casal Teresa Maranhão e Sílvio Pereira, Joanna começou a nadar no Clube Português de Recife, aos 3 anos de idade. Seus irmãos são Luiz Netto, Sílvio Jr. e José Henrique.

Site: http://www.joannamaranhao.com.br/

Mais outro caso:

http://www.pernambuco.com/esportes/nota.asp?materia=2008215135210&assunto=219&onde=1

5 comentários:

Anônimo disse...

Será que isto influenciou no fato dela ser lésbica?

Anônimo disse...

Ao que eu saiba, ela não é lésbica e se fosse, haveria algum problema no fato em si?
Elisangela

sulfista pra tiadu danete disse...

a juana eh lebisca?????
eeee mundow porkeira!!!
kibon ki este site ta divugano a fofok

Elisangela disse...

Olhe "Anônimo" ou Surfista Prateado que não sab escrever...
Joanna NÃO é lésbica, este blog ou a responsável por ele, como quiser, não afirmou isso em momento algum, isso é um fato!

Agora se pensas q irás me enlouquecer ou mesmo me irritar, estais enganadíssimo Rodrigo José! e tenho dito!

Bá Quitéria disse...

Eu sou lésbica mas num acho que a Joaninha é. Mas vocês tão dizendo que ela é então vai que ela é mesmo. Tipo acho na boa.