quarta-feira, 26 de março de 2008

Pauline Kael - A grande crítica de cinema!


Estou "descobrindo" essa fantástica mulher.

Nunca havia ouvido ou visto nada sobre ela antes do curso que fiz de Introdução à Crítica de Cinema em janeiro deste ano. Foi Rodrigo Carreiro, o professor do curso, o responsável por essa (para mim) maravilhosa novidade: UmA CríticA de Cinema (entendam - Mulher) que é referência para várias gerações de todas e todos envolvidos com cinema... Cineastas, roteiristas, atrizes, atores e por aí vai...

Alguns (mas) podem perguntar: sim e daí?

E eu repondo: e daí que o Cinema sempre foi e é dominado por homens. Quantas são as grandes diretorAs que você conhece ou consegue se lembrar? Quantas são as grandes roteiristAs? produtorAs? críticAs? Atrizes são atrizes enfim, mas observem que lá nos primórdios com o Teatro até os papéis femininos eram feitos por homens (Socorro!!!!!!!!)

Confesso que a duras penas eu me "acostumei" a não levar essa parte muito em conta, objetivando simplesmente não enlouquecer ainda mais... Então consegui desviar minha atenção (do ângulo especificamente feminista) para as atrizes e suas atuações, mas óbvio com total clareza de que são poucos os "bons" papéis dados a mulheres e principais então nem se fala, na maior parte das vezes elas são namoradas, esposas, filhas ou ficantes de algum "cara" qualquer... Que ódio que isso me dá também... Afffff...

Vale ratificar: Não estou afirmando que nunca houve papéis femininos dignos em Cinema. Estou dizendo e afirmando sim que eles apesar de existirem são pouquíssimos em relação aos masculinos, isso é fato!

É verdade também que nunca havia feito algum tipo de pesquisa sobre tal assunto "CritícAs de Cinema", sinceramente acreditava que elas não existissem, não passavam de fábulas ou realmente nunca tinham sido muitíssimo melhores* que os homens para serem citadas...

Aí vem essa incrível surpresa chamada Pauline Kael (1919-2001) escreveu suas críticas durante cerca de 40 anos, influenciando diversas gerações.

Segue trecho da Introdução de um de seus livros "Criando Kane e outros ensaios" em que Philipe French ao apresentar Pauline ao leitor(a) cita um diálogo entre Brian de Palma e Quentin Tarantino sobre o que ela significava para os cineastas estadunidenses sérios:

De Palma: É uma infelicidade para nossa geração de cineastas, mas tivemos Pauline Kael, e o que quer que se diga dela, quer a gente gostasse ou não de suas opiniões, ela escrevia com muita paixão e emoção sobre o cinema. E juro por minha vida que não encontro um escritor hoje que eu leia com tanto interesse e emoção.

Tarantino: Em certos aspectos, Pauline foi tão influente pra mim quanto pra qualquer cineasta. Ela me ajudou, quando jovem, a desenvolver minha estética, o que não significa que eu não discordasse dela, mas ela foi alguma coisa assim como uma professora pra mim.

De Palma: Exatamente.

Tarantino: Ela deixou o ramo quando eu estava na pré-produção de Cães de Aluguel (Reservoir Dogs), e me sinto meio esquisito a respeito. Talvez porque ela era tão importante pra mim, e eu não sei o que achou do filme! Mas quando eu era mais jovem, sempre fantasiava que ela escolhia meu filme pra criticar, porque não criticava tudo, e que se referia a mim pelo meu sobrenome - "Quando Tarantino faz... ta-ta-ta, ta-ta-ta, ta-ta-ta" - e isso seria um barato!


Preciso "dizer" mais alguma cousa?
*Quanto ao "muitíssimos melhores": no meu ponto de vista só mulheres assim se destacam em nossa sociedade sexista.

2 comentários:

Wendell Borges disse...

Estava fazendo uma pesquisa na internet sobre Pauline kael e acabei chegando aqui neste seu blogue. Desculpa a invasão,estou deixando um comentário aqui. Pauline era realmente uma grande mulher e suas críticas eram mais do que valorizadas. Parabéns pelo blogue e o futuro do cinema com as novas diretoras que ainda irão surgir será um novo passo para uma renovação da linguagem audiovisual.

Abraços!!

Elis disse...

Obrigada Wendell e o que é isso de invasão? muito pelo contrário sempre fico feliz em saber que não fico escrevendo coisas só pra eu mesma ler depois :)

Espero realmente que novas diretoras surjam, mas confesso que essa esperança é um tanto desanimadora, considerando o fato (pelo menos eu acho) de ter havido tempo suficente para já existeram algumas importantes referências e onde estão? É o que me pergunto constantemente...

Abraços...